A Tratore por aí:

Destaques

Vanessa Moreno e Salomão Soares, Chão de Flutuar
Independente

Chão de Flutuar. Esse é o título do primeiro álbum do duo formado pela cantora e compositora paulista Vanessa Moreno e o pianista paraibano Saloma?o Soares. Os instrumentos, voz e piano, podem ser ouvidos nesse projeto com brasilidade, nuances rítmicas, espontaneidade e improvisação!



Gil (Trilha Sonora Original do Espetáculo do Grupo Corpo), Gilberto Gil
Grupo Corpo

O fundo infinito de amarelo vivo se estende do alto até a beira do palco, como um tapete. Ali, a música luminosa, plural, universal e tão brasileira de Gilberto Gil se traduz na coreografia que leva o nome do compositor, GIL. A convite do diretor artístico Paulo Pederneiras, Gil criou uma trilha que vai dos elementos afro-baianos à abordagem camerística, com a intervenção de trechos retrabalhados das canções conhecidas, como Tempo Rei, Andar com Fé e Aquele Abraço..

CD Triplo - 30 Anos!, Ricardo Vignini
Folguedo

CD Triplo em formato físico em comemoração os 30 anos de carreira do violeiro Ricardo Vignini, a caixa contem os álbuns Reviola, Sessões Elétricas Para Um Novo Tempo e Cubo que foram lançados em 2020 apenas em formato digital.




Top 20 dos últimos 60 dias Veja mais

Em breve Veja mais

   
 
Rádio Tratore
Blog
03 de agosto
Como fazer um acordo de banda?
por David Dines Você tem uma banda, mas quer se prevenir diante de desavenças e situações desagradáveis que possam (…) Leia mais
28 de julho
Qual é o período perfeito para anunciar um pre-save?
por David Dines O pre-save é uma ferramenta promocional utilizada por muitos artistas para construir expectativa em (…) Leia mais
20 de julho
Conheça o Marquee, ferramenta de promoção do Spotify que chega ao Brasil
por David Dines Após sucesso em 13 países, o Spotify acrescenta o Brasil na lista de territórios com acesso ao (…) Leia mais
Agenda
12 de agosto – 20:00
Lançamento do Album 2
O CD CANÇÕES PARA ATRAVESSAR A NOITE ESCURA | Canções na Quarentena é o resultado de dois shows - Acalantos e Canções para Despertar - produzidos pela cantautora e multi-instrumentista Kátya Teixeira com a presença fundamental de André Venegas no processo de feitio durante o período de Pandemia por coronavírus. Diante do cenário social, político, humano onde nos deparamos com nossas fragilidades essas canções surgem para nos trazer um calor, um afago, "um carinho no centro da pedra dura", nos fazendo crer que apesar de tudo amanhece, sempre amanhece. No álbum 1 - Canções inéditas como No arco da madrugada - Kátya e Consuelo de Paula - e Dorme meu amor parceria com João Evangelista de Souza, se entrelaçam a obras de outros autores/as como Jean Garfunkel e Renato Consorte, Anabel Andrés e Jera Guarani a outras consagradas de Zeca Afonso (PT), Irmãos Nuñes (ARG) e Luiz Vieira, passando por temas tradicionais luso brasileira. No álbum 2 - Kátya Teixeira compartilha elementos artísticos que nos convidam a fortalecer a esperança por dias melhores e sugere a necessidade de um olhar mais atento para as pequenas coisas que nos fazem despertar a consciência, o coração e os sentimentos. No repertório estão parcerias inéditas como: Poema para uma árvore-sol (Kátya Teixeira e Consuelo de Paula), A vida em si (Kátya Teixeira e Sérgio Tannus) e Laços (Kátya Teixeira e Lígia Araújo), Nômina (Kátya Teixeira e Giovanni Guimarães), Entre Flores e Espinhos (Kátya Teixeira e Luiz Carlos Bahia) e revisita algumas músicas da discografia geral de Kátya como Kararaô e Décimas para Violetas e Margaridas, Pega-Pega (Paulo Gomes), Tempo de esperança (Kátya Teixeira e Gildes Bezerra) e ainda a canção inédita Janela do Tempo (Luís Perequê), além de regravações de músicas do cancioneiro popular como Deusa da lua (Mestra Virgínia - AL) e A rosa também se muda além da bela cantiga em guarani Tangará Mirim (Wanderley Moreira - Mborai Marae) que abre o disco. O disco conta com participações mais que especiais. O mestre Osvaldinho da Cuíca, os violeiros Ricardo Vignini e Valdir Verona, a percussionista Cássia Maria, o multi-instrumentista Sérgio Tannus (brasileiro radicado há muitos anos na Galícia), o grupo Seresteiros, o grupo galego Ergutío, a portuguesa Eva Parmenter, André Venegas (integrante do grupo Barbatuques), a violoncelista Ana Eliza Colomar e a flautista Esther Alves. O disco foi gravado e mixado nos estúdios Sirikutiku e Bojo Elétrico em São Paulo, e masterizados por Ricardo Vignini (2021/2022). A ilustração da capa do álbum digital é da artista visual Naila Pommé e o designer é de Kátya Teixeira. A produção executiva é de Katxerê Produções Artísticas com distribuição da Tratore. Ficha Técnica Produção Executiva - Katxerê Produções Artísticas Direção artística e musical - Kátya Teixeira e André Venegas Gravação e mixagem - Estúdio Sirikutiku e Bojo Elétrico Masterização - Ricardo Vignini Capa do álbum - Designer Kátya Teixeira | ilustração Naila Pommé Gravado, mixado e masterizado - entre abril 2021 e julho 2022 - São Paulo SP - Brasil Distribuição - Tratore
21 de agosto – 20:00
show pre-lançamento CANÇÕES PARA ATRAVESSAR A NOITE ESCURA CANÇÕES PARA ATRAVESSAR A NOITE ESCURA | Canções na Quarentena - álbum 1
SHOW DE PRÉ-LANÇAMENTO DO LIVRO/CD DUPLO DE KÁTYA TEIXEIRA CANÇÕES PARA ATRAVESSAR A NOITE ESCURA | Canções na Quarentena é o resultado de dois shows - Acalantos e Canções para Despertar - produzidos pela cantautora e multi-instrumentista Kátya Teixeira com a presença fundamental de André Venegas no processo de feitio durante o período de Pandemia por coronavírus. Diante do cenário social, político, humano onde nos deparamos com nossas fragilidades essas canções surgem para nos trazer um calor, um afago, "um carinho no centro da pedra dura", nos fazendo crer que apesar de tudo amanhece, sempre amanhece. Canções inéditas como No arco da madrugada - Kátya e Consuelo de Paula - e Dorme meu amor parceria com João Evangelista de Souza, se entrelaçam a obras de outros autores/as como Jean Garfunkel e Renato Consorte, Anabel Andrés e Jera Guarani a outras consagradas de Zeca Afonso (PT), Irmãos Nuñes (ARG) e Luiz Vieira, passando por temas tradicionais luso brasileira. Poema para uma árvore-sol (Kátya Teixeira e Consuelo de Paula), A vida em si (Kátya Teixeira e Sérgio Tannus) e Laços (Kátya Teixeira e Lígia Araújo), Nômina (Kátya Teixeira e Giovanni Guimarães), Entre Flores e Espinhos (Kátya Teixeira e Luiz Carlos Bahia) e revisita algumas músicas da discografia geral de Kátya como Kararaô e Décimas para Violetas e Margaridas, Pega-Pega (Paulo Gomes), Tempo de esperança (Kátya Teixeira e Gildes Bezerra) e ainda a canção inédita Janela do Tempo (Luís Perequê), além de regravações de músicas do cancioneiro popular como Deusa da lua (Mestra Virgínia - AL) e A rosa também se muda além da bela cantiga em guarani Tangará Mirim (Wanderley Moreira - Mborai Marae) que abre o disco. Vai acontecer dentro do 12º Festival Literario de Votuporanga - FLIV 21/08/2022 às 18h confira a programação http://www.flivotuporanga.com.br/home/
24 de agosto – 20:00
ENCONTRO DAS CORES Esse é nosso incrível encontro das cores que acontece em nova Iguaçu na praça dos direitos humanos, venha fazer parte dessa comunidade.
Uma resenha
Che, Sexy 70 - Music inspired by the Brazilian sacanagem movies of the 1970s YB Music
João Batista Rodrigues escreveu: O disco de Alexandre Caparroz vale como trilha sonora versátil e como pesquisa histórica rápida sobre os anos dourados das pornochanchadas brasileiras. O cd se inicia com um "picante" diálogo entre Paulo César Pereio e Helena Ramos (que aliás aparecem em todo o disco) e segue com uma antologia bem acabada de trilhas sonoras, indo do musak convencional de uma sala de espera a um bolero "caliente", como na faixa " Suite para Pereio". Do ponto de vista histórico, o texto do encarte define até, aliás com rara precisão, o momento exato do fim do ciclo dos filmes de sacanagem no Brasil: quando uma certa loura, que seduzia criancinhas, passa a ser a musa dos baixinhos na tv. Nada que pudesse ser comemorado, mas, pelo menos, o tributo de Che é honesto e muito bem produzido. Boa sessão!