A Tratore por aí:

Let It Bed

Palavras-chave Rock.


O esperado disco de Arnaldo Baptista, Let it Bed, é um mergulho na subjetividade, criatividade, humor e imaginação deste que é um dos gênios da música brasileira. Produzido por John Ulhoa, do Pato Fu, e Rubinho Trol, Let it Bed traz toda a poesia, sonoridade e rock'n'roll cultivados pelo ex-Mutante que, ao longo de 20 anos, mora no seu sítio em Juiz de Fora (MG). "Cacilda", "Deve ser amor" e "To burn or not to burn" são essenciais. E além dessas 3 e de outras 10 músicas inéditas, o disco conta com uma faixa multimídia com fotos, discografia e clipes com desenhos e pinturas do Arnaldo Baptista.



Faixas (13)

1.
Gurum Gudum

Autor:
Editora:


2.
Everybody Thinks I'm crazy

Autor:
Editora:


3.
LSD

Autor:
Editora:


4.
To Burn or not to Burn

Autor:
Editora:


5.
Bailarina

Autor:
Editora:


6.
Deve ser amor

Autor:
Editora:


7.
Nobody Knows

Autor:
Editora:


8.
Cacilda

Autor:
Editora:


9.
Imagino

Autor:
Editora:


10.
Ai garupa

Autor:
Editora:


11.
Encantamento

Autor:
Editora:


12.
Carrossel

Autor:
Editora:


13.
Tacape

Autor:
Editora:



Produtos relacionados
(0/0)


   

Resenhas
Positivas (21)
Arnaldo Baptista continua muito loki...

O disco apresenta uma noção do real rock brasileiro, transcrito na mixagem dos instrumentos e na capacidade de referir tudo o que engloba o mundo da música e do ser humano nas letras e na qualidade do som. O momento lúdico e a grande competência da equipe, se demonstram ao reunir canções, arte e interatividade. Resquícios de Mutantes, também é possível sentir ao ouvir Let It Bed.

por Tiago Martinelli em 04/10/2004
LSD

como diz o título de uma das faixas, " Louvado seja Deus "...que nos deu Arnaldo. Let it Bled é uma aula de rock....tem de tudo neste caldeirão sonoro....psicodelia, dub, rock n roll, música eletrônica...e os méritos não são apenas do grande Arnaldo...vale destacar também a caprichada produção do John Ulhoa ( Pato Fu ). Destaco as ótimas : LSD, To Burn or Not to Burn, Deve ser Amor, Bailarina......mas sem dúvida a que gostei mais foi a maravilhosa, Cacilda. Discaço !!

por Silvio Pellacani Jr em 11/10/2004
A volta

Agradeço ao Arnaldo, à Lucinha, ao John e ao Lobão a graça alcançada!!! Um excelente CD com criações criativas e uma produção cuidadosa. Ressalta-se como destaque (não poderia deixar de ser!) o, literalmente, multi-instrumentista Mutante. A parte multimídia também é ótima!

por Lívia Emy Fukuda em 11/10/2004
Let It Bed

Let It Bed "Louvado seja Deus "Arnaldo Baptista. mistura eletrônica com rock,isso da um som doidão...ele é muito criativo,resgatando o verdadeiro rock brasileiro tb. o som e as letras são de um professor da música...

por NEY em 17/10/2004
Dizem que sou louco. E daí?

Foi com grande emoção que pude assistir a este retorno, conduzido pelas mãos do incansável Lobão e dos mineiros do Pato Fu (grande gente). Mais uma dose de emoção ainda na noite do tal VMB da MTV, quando o cara cantou e deixou a assistência babando, tanto os antigos, que conhecem sua trajetória, quanto a molecada, que não sabe de nada. O disco, bem, o disco é 100% Arnaldo, 100% experimentação e 200% emoção. É só dar o suporte que o velho mutante ressuscita, alone but special, yet. Compre, ouça e sonhe, de novo.

por João Batista Rodrigues em 17/10/2004
Debilitado? Quem?

"Let it Bed" é um álbum estranho, complicado, declaradamente artístico - por mais difícil que seja, pretendo comentar um disco de um grande ícone seminal do rock no Brasil sem parecer tendencioso. Apesar de toda a expectativa criada em cima do mais recente lançamento do ex-mutante, nota-se que toda a composição aqui está despida de pretensão. As canções parecem estar apoiadas em cima de uma base sólida chamada: sinceridade. Sobre a audição, trata-se de uma curta viagem - as 13 faixas de Let it Bed somam apenas meia hora de duração - por um universo psicodélico de música ruim com lapsos de genialidade e, acima de tudo, feita com o coração. Arnaldo tocou todos os instrumentos (as programações ficaram a cargo do produtor John, do Pato Fu) e participou de todo o processo de produção do disco (a arte gráfica apresenta algumas ilustrações feitas pelo compositor ao longo dos últimos anos). Ouça faixas como "Ai Garupa", "LSD (Louvado Seja Deus)" e "Deve ser amor" e perceba como sua noção so

por Rodrigo Lemos em 20/10/2004
Lei it bed

Encontro histórico da música brasileira. Arnaldo Baptista com produção de John Ulhoa, só poderia dar coisa boa. Os pontos altos são "LSD" e "To burn or not to burn". Incrível.

por Fernando Maranho em 20/10/2004
de onde menos se esperava

Quando todo mundo achava que o Arnaldo Baptista tinha se recolhido da vida artística pra sempre, ele aparece com um disco inédito, com produção do John e participação do Rubinho Troll. O resultado é um disco delicado, hesitante até, mas cheio de verdade artística, ternura e respeito. Destaco "Gurum Gudum", com seu piano-fantasma.

por marcelo firpo em 22/10/2004

Roqueiro da velha, mutantes eterno e maluco de verdade, esse cara representa a cena rock in roll brasileira desde que guitarra não tinha cabo...

por reinaldo rodrigo novo em 23/10/2004
Ex Mutante Mutando!

Uma atmosfera completamente cativante em um álbum perfeitamente composto. Pitadas de rock progressivo não poderiam faltar de maneira nenhuma. Totalmente aprovado!

por Thiago da Silva Corrêa em 29/10/2004
ENFIM!!

MOSTRANDO QUE ESTÁ LONGE DA CRISE CRIATIVA,ARNALDO NOS BRINDA COM UM TRABALHO QUE BEM PODERIA TRAZER REFERENCIAS DOS BEATLES PELO TITULO SUGESTIVO QUE LOGO LEMBRA "LET IT BE" MAS É SÓ MAIS UMA DAS BOAS TACADAS DO EX-MUTANTE (SÓ NA CONDIÇÃO DE EX-INTEGRANTE).PONTO PRA PRODUÇÃO SER ENTREGUE AO JONH DO PATO FU E PRA BEM SACADA "TO BURN OR NOT TO BURN" QUE BEM PODERIA TER SAÍDO DA CABEÇA DA FERNANDA TAKAI.POR QUE NÃO???

por RÉGIS LUIZ CÂMARA AMORA em 30/10/2004
Encontro dos fãs

Nem todos os LSDs, nem todas as mil e uma drogas que Os Mutantes experimentaram na época os trasformaram em descerebrados e alienados do planeta música, neste CD Arnaldo Baptista mostra, para os fãs do passado e para os novos fãs como eu, que música ele sabe fazer.

por Roni Costa em 31/10/2004
Arnaldo e Barrett

Tá na cara, Arnaldo "Mutantes" Baptista & Syd "Pink floyd" Barrett dividem a mesma alma, ou são as mesmas pessoas, em LET IT BED Arnaldo com Syd Barrett na garupa de sua motocicleta, rasgam o pano de veludo vermelho do chão (da mediocridade da indústria cultural)!

por Romildo José Maia em 05/12/2004
Tudo mundo pensa que sou louco

Surrealista, incrivel, dificil, emocionante, confuso, problematico, maravilhoso, ex-mutantes que nada, novo Arnaldo e velho Arnaldo. E todo mundo ainda pensa que ele é louco, ele é simplesmente IMENSO.

por Emanuel ESS em 31/08/2005
o artista possível

O disco do Arnaldo,Baptista, é claro, não é uma obra-prima fechada, nem poderia ser, já que ao musico falta a lucidez dos tempos de outrora. O que é bonito no disco, isso sim, é a capacidade de superação e a força do talento do artista que se sobrepões aas dificuldades trazendo uma obra no minimo coerente e inserida nos tempos modernos. O Pato Fu bem que poderia ter tirado mais lições desse disco.

por adalberto henrique castelo branco rabelo filho em 01/09/2005
o retorno do rei

Neste fabuloso disco, Arnaldo prova que o rock progressivo so morreu pros amadores que nao encontraram a sua essencia e se perderam de seus objetivos. A profissionalidade integrada com a exprimentalidade trazem neste disco a tecnologia como aliada do processo de evolucao musical onde a palavra chave e` a arte, ao inves de sinteticidade artificial dos que as usam (arte e tecnologia) de maneira incorreta. A musicalidade nao cai, nao "perde o fio da meada", apostando no publico variado, Arnaldo propoe `a midia de massa, atraves de seus canais de comunicacao, que se curve diante da superioridade da independencia musical, mostrando na pratica a sua real irreverencia, descreditada por muitos.

por Alexandre Cortes Carvalho em 03/09/2005
LSD que nos deu Arnaldo

Ter a volta de Arnaldo em cd é uma grande satisfação! Afinal, os seus serviços prestados para a música brasileira e mundial dispensa comentários. Alguma comparação com Brian Wilson seria vulgarizar ambos os artistas, comparando o incomparável. Em "let it bed", os recortes e colagens vão fechando o quebra-cabeça das loucuras provenientes da mente de Arnaldo. "LSD" parece uma canção de ninar levada ao piano, com letra ácida e que lembra Mutantes ("Louvado seja deus que nos deu o rock n` roll"). "Bailarina" parece um Tom Jobim trip hop, seja lá o que isso quiser dizer! "To burn or not to burn" poderia figurar em um dos melhores discos do Talking Heads, mas com o comando de Arnaldo toma contornos personalíssimos. "Let it bed" é um cd que não pode ser subestimado em nenhum momento, pois tem selo de qualidade e não possue prazo de validade, assim como Arnaldo Baptista.

por Edinaldo Pacheco em 05/09/2005
está tudo nos comentários abaixo

pra mim, as melhores do disco são cacilda e to burn or not to burn... na verdade entrei aqui só pra fazer essa micro observação. o que mais poderia ser dito desse álbum que não está nos comentários abaixo ?

por Taw em 14/09/2005
SENSACIONAL

NOSSA SENHORA DAS BICICLETAS NA LADEIRA SEM FREIOS. O QUE E ISSO. PERFEITO.

por fernando rombaldi beserra em 07/12/2005

A colagem de trechos de músicas inacabadas, brincadeirinhas produzidas é curiosa e importante. Não tem a genialidade de Loki?, mas é um importante documento sobre o Arnaldo depois de muitos anos. Vale mais pelo artista do que pelo discoi propriamente dito. Mas já ficou para a história.

por Beto Feitosa em 04/08/2005
LET IT LET

O melhor disco semi-consciente que já ouvi até hoje. Hei, isso é um elogio!

por JAKOB NOSTRI em 04/08/2005
Negativas (2)
Arnaldo Baptista - Let It Bed - (L & C Editora)

A simpatia de Arnaldo Baptista e a importancia de sua volta as gravaçoes impedem "quase" todas tentativas de não achar esse Let It Bed um disco legal, mas sinceramente ele só que é autamente recomendado para os fãs dos Mutantes e sobretudo aos fãs do Arnaldo de "Loki?" e "Singin ´Alone". João Daniel (como nos tempos da banda Ultimo Numero) o John do Pato Fu e Rubinho Troll (ex parceiro de John na cult-band Sexo Explicito) fizeram os acabamentos aproximando o artista metódico as novas tecnologias sem que essas o descaracterizasse e assim saíram faixas meio acústicas e valvuladas todas executadas em sua grande maioria somente por Arnaldo Baptista que merece todo essa tratamento porque é uma lenda e ainda esta vivo para sentir essa gratidão enquanto seu louco coração ainda bate.

por Luciano Branco em 29/10/2004
Let it Bed...

Quando soube que Arnaldo iria gravar um cd depois de tanto tempo sumido fiquei interessado, além do que sempre fui fã dos Mutantes. Comprei o cd Let it Bed, mas não gostei do que ouvi, acho que o Arnaldo marcou época com os mutantes, eu gosto de Loki e Singn alone, mas este trabalho não me interessou quando o ouvi, apesar de que contém algumas belas faixas, de preferência quando ele canta só ao piano, gostei da suave Bailarina, e da curta Everybody Thinks I`m crazy, mas as outras faixas não me agradaram muito, porém como o colega disse serve de documento sobre o louco e inteligentíssimo Arnaldo Batista.

por Tiago Vieira em 08/08/2005

Escreva uma resenha






Você gostou do disco?



Resenha (opcional)




Ficha técnica
Artistas principais
Ano
2004
Lançamento
01/09/2004
Gênero
Rock
Código do catálogo
L&C003/04
Código do produto
7898907657037
Selo
L & C Editora
Formato
CD Simples
Perfil do artista
Agenda